Dependentes químicos da opinião alheia

Em meus devaneios momentâneos, percebi o quando dependemos da crença dos outros. Temos essa necessidade de sempre provar algo pra alguém. Concordo que tem situações que é realmente necessário, como por exemplo, no trabalho. Você precisa provar seu valor para ser reconhecido. Mas em determinadas circunstâncias da vida, não precisamos da aprovação e nem da crença de absolutamente ninguém.

Parte da descrença que temos em nós mesmos, parte da descrença que os outros apresentam em nós. Somos todos dependentes químicos da opinião alheia — em sermos aceitos e compreendidos — para que dessa forma tenhamos em quem nos agarrar para levar a causa a frente. Um gancho de identificação que nos impulsione. Afinal, ninguém quer nada contra a maré porque é mais difícil ir contra.

As vezes estamos em dúvida e precisamos de uma segunda — terceira, quarta e até quinta — opinião para clarear as idéias e chegar a uma conclusão. Querendo ou não, atribuímos peso a essas opiniões e as por vezes, as tomamos como uma verdade absoluta.

Porem, temos aquelas opiniões e comentários não solicitados, que além de vir de “graça” ainda são depreciativos e não construtivos. Mas, apesar de ser extremamente difícil, temos que saber filtrar. Devemos absorver o que for construtivo e abstrair o negativo.

Por vezes deixei de acreditar em mim por causa de um comentário ordinário. Me deixei abalar com a descrença dos outros no meu potencial. O estrago que isso fez na minha vida foi — por anos — irreparável. Porque era como se eu fosse uma folha de papel e alguém vivesse me furando.

Contudo, o tempo passou e hoje eu me surpreendo. A pessoa que eu me tornei e as coisas que eu conquistei, foram méritos meus. Aos poucos eu venho me descobrindo, me tornando mais consciente e me empenhando em mudar aquilo que eu não gosto.

Existem opiniões que são indispensáveis para mim. Mas aprendi que não preciso da aceitação de ninguém a não ser a minha. Eu procuro escutar e absorver aquilo que considero bacana. O resto, eu deixo pra lá.

As coisas depreciativas me emputecem ainda, infelizmente. Não me conformo com gente falando besteira sem me conhecer, sem me entender e nem entendo do porquê elas se importam em dar a opinião nas minhas coisas ou sequer falar da minha vida por ai. Mas estou, com uma incrível força de vontade, tentando abstrair. Respiro fundo, expresso alguns xingamentos mentais e me esforço para pensar em algo mais importante do que isso.

O ser humano é um eterno aprendiz de si mesmo. Vivemos para nos descobrir. Então, não se oprima. Se descubra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s