Precisamos falar sobre dois mil e doze

8288768950_9e4e2cb5db_large

Dois mil e doze foi vivido em anos e não em apenas trezentos e sessenta e cinco dias. Um ano louco, intenso, repleto de lições, tropeços, sem direção, descobertas, tristezas e superações. Este ano contemplou muitas transições.

Vamos começar do começo?

Eu, com meus vinte e poucos anos, perdida. Esse foi o começo de tudo. Eu comecei sem começo. Porque eu não sabia por onde começar. Formada, desempregada, pessoas indo embora, vazio, confusão. Eu era uma bagunça no começo do ano.

O que eu aprendi? Aprendi uma penca de coisa, mas aqui vão algumas coisas que eu gostaria de compartilhar:

Aprendi que as vezes é preciso estar “perdido”. Aos vinte e poucos anos você não precisa saber de tudo o que quer da vida. O importante é você ir caminhando, ir experimentando e nunca se acomodar. Porque a vida pode não ser sobre você se achar, mas em sobre você se descobrir, se criar e se reinventar.

Aprendi que estar só é um mal necessário. Porque você precisa aprender a encontrar o seu equilíbrio. É crucial se desprender das pessoas, de forma que você  não seja tão dependente delas a ponto de torná-las o ar que você respira. Precisamos saber estar em nossa própria companhia e estar bem com isso.

Aprendi a ter mais amigos ao invés “melhores amigos”. Amigos, sem rótulos, sem classificações.

Aprendi a deixar valores mesquinhos para lá e aproveitar os momentos em sua totalidade, mediante as circunstâncias. Me preocupando apenas em torná-los especiais e divertidos.

Aprendi que muitas vezes a vida não vai ser aquilo que você espera. Você pode conviver com isso ou fazer algo pra mudar a situação.

Aprendi que certas coisas não valem a mágoa. As vezes, não perdoar é o que te impede de seguir em frente.

Aprendi a deixar as pessoas que eu amo seguirem o seu caminho.”O amor é libertação”, preciso repetir mais isso.

Ao todo, não foi um ano ruim. Foi um ano difícil.

Passei por vários momentos de infelicidade instantânea, costurando os meus machucados e recolhendo os meus cacos. Mas sou grata por cada vez em que sentei e chorei, porque isso me tornou mais forte. Eu aprendi a superar. E eu amadureci.

Houve vitórias significativas, momentos inesquecíveis e pessoas insubstituíveis.

E honestamente, eu me sinto melhor. Me sinto mais madura e forte. Sinto que consegui evoluir e passar por cima de coisas que demorei anos pra superar.

Dois mil e doze, você foi foda! Mas eu consegui! Consegui chegar até o final melhor do que eu estava no começo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s